Salmo do Dia - Salmo 9

Salmo do Dia - Salmo 9

Salmo do Dia - Salmo 9

Salmo do Dia - Salmo 9


  1. Eu te louvarei, Senhor, com todo o meu coração; contarei todas as tuas maravilhas.
  2. Em ti me alegrarei e saltarei de prazer; cantarei louvores ao teu nome, ó Altíssimo.
  3. Porquanto os meus inimigos retornaram, caíram e pereceram diante da tua face.
  4. Pois tu tens sustentado o meu direito e a minha causa; tu te assentaste no tribunal, julgando justamente;.
  5. Repreendeste as nações, destruíste os ímpios; apagaste o seu nome para sempre e eternamente.
  6. Oh! inimigo! acabaram-se para sempre as assolações; e tu arrasaste as cidades, e a sua memória pereceu com elas.
  7. Mas o Senhor está assentado perpetuamente; já preparou o seu tribunal para julgar.
  8. Ele mesmo julgará o mundo com justiça; exercerá juízo sobre povos com retidão.
  9. O Senhor será também um alto refúgio para o oprimido; um alto refúgio em tempos de angústia.
  10. Em ti confiarão os que conhecem o teu nome; porque tu, Senhor, nunca desamparaste os que te buscam.
  11. Cantai louvores ao Senhor, que habita em Sião; anunciai entre os povos os seus feitos.
  12. Pois quando inquire do derramamento de sangue, lembra-se deles: não se esquece do clamor dos aflitos.
  13. Tem misericórdia de mim, Senhor, olha para a minha aflição, causada por aqueles que me odeiam; tu que me levantas das portas da morte;.
  14. Para que eu conte todos os teus louvores nas portas da filha de Sião, e me alegre na tua salvação.
  15. Os gentios enterraram-se na cova que fizeram; na rede que ocultaram ficou preso o seu pé.
  16. O Senhor é conhecido pelo juízo que fez; enlaçado foi o ímpio nas obras de suas mãos. (Higaiom; Selá.).
  17. Os ímpios serão lançados no inferno, e todas as nações que se esquecem de Deus.
  18. Porque o necessitado não será esquecido para sempre, nem a expectação dos pobres perecerá perpetuamente.
  19. Levanta-te, Senhor; não prevaleça o homem; sejam julgados os gentios diante da tua face.
  20. Põe-os em medo, Senhor, para que saibam as nações que são formadas por meros homens. (Selá.).
Salmos 9:1-20

Salmo do Dia - Salmo 6

Salmo do Dia - Salmo 6

Resultado de imagem para salmo 6



  1. Senhor, não me repreendas na tua ira, nem me castigues no teu furor.
  2. Tem misericórdia de mim, Senhor, porque sou fraco; sara-me, Senhor, porque os meus ossos estão perturbados.
  3. Até a minha alma está perturbada; mas tu, Senhor, até quando?.
  4. Volta-te, Senhor, livra a minha alma; salva-me por tua benignidade.
  5. Porque na morte não há lembrança de ti; no sepulcro quem te louvará?
  6. Já estou cansado do meu gemido, toda a noite faço nadar a minha cama; molho o meu leito com as minhas lágrimas,
  7. Já os meus olhos estão consumidos pela mágoa, e têm-se envelhecido por causa de todos os meus inimigos.
  8. Apartai-vos de mim todos os que praticais a iniqüidade; porque o Senhor já ouviu a voz do meu pranto.
  9. O Senhor já ouviu a minha súplica; o Senhor aceitará a minha oração.
  10. Envergonhem-se e perturbem-se todos os meus inimigos; tornem atrás e envergonhem-se num momento.
Salmos 6:1-10
Salmo do Dia - Salmo 90

Salmo do Dia - Salmo 90

Salmo do Dia - Salmo 90

Salmo do Dia - Salmo 90

SENHOR, tu tens sido o nosso refúgio, de geração em geração.
Antes que os montes nascessem, ou que tu formasses a terra e o mundo, mesmo de eternidade a eternidade, tu és Deus.
Tu reduzes o homem à destruição; e dizes: Tornai-vos, filhos dos homens.
Porque mil anos são aos teus olhos como o dia de ontem que passou, e como a vigília da noite.
Tu os levas como uma corrente de água; são como um sono; de manhã são como a erva que cresce.
De madrugada floresce e cresce; à tarde corta-se e seca.
Pois somos consumidos pela tua ira, e pelo teu furor somos angustiados.
Diante de ti puseste as nossas iniqüidades, os nossos pecados ocultos, à luz do teu rosto.
Pois todos os nossos dias vão passando na tua indignação; passamos os nossos anos como um conto que se conta.
Os dias da nossa vida chegam a setenta anos, e se alguns, pela sua robustez, chegam a oitenta anos, o orgulho deles é canseira e enfado, pois cedo se corta e vamos voando.
Quem conhece o poder da tua ira? Segundo és tremendo, assim é o teu furor.
Ensina-nos a contar os nossos dias, de tal maneira que alcancemos corações sábios.
Volta-te para nós, Senhor; até quando? Aplaca-te para com os teus servos.
Farta-nos de madrugada com a tua benignidade, para que nos regozijemos, e nos alegremos todos os nossos dias.
Alegra-nos pelos dias em que nos afligiste, e pelos anos em que vimos o mal.
Apareça a tua obra aos teus servos, e a tua glória sobre seus filhos.
E seja sobre nós a formosura do Senhor nosso Deus, e confirma sobre nós a obra das nossas mãos; sim, confirma a obra das nossas mãos.
Salmos 90:1-17

Salmo do dia - Salmo 115

Salmo do dia - Salmo 115

Salmo do dia - Salmo 115


  1. Não a nós, SENHOR, não a nós, mas ao teu nome dá glória, por amor da tua benignidade e da tua verdade.
  2. Porque dirão os gentios: Onde está o seu Deus?
  3. Mas o nosso Deus está nos céus; fez tudo o que lhe agradou.
  4. Os ídolos deles são prata e ouro, obra das mãos dos homens.
  5. Têm boca, mas não falam; olhos têm, mas não vêem.
  6. Têm ouvidos, mas não ouvem; narizes têm, mas não cheiram.
  7. Têm mãos, mas não apalpam; pés têm, mas não andam; nem som algum sai da sua garganta.
  8. A eles se tornem semelhantes os que os fazem, assim como todos os que neles confiam.
  9. Israel, confia no Senhor; ele é o seu auxílio e o seu escudo.
  10. Casa de Arão, confia no Senhor; ele é o seu auxílio e o seu escudo.
  11. Vós, os que temeis ao Senhor, confiai no Senhor; ele é o seu auxílio e o seu escudo.
  12. O Senhor se lembrou de nós; ele nos abençoará; abençoará a casa de Israel; abençoará a casa de Arão.
  13. Abençoará os que temem ao Senhor, tanto pequenos como grandes.
  14. O Senhor vos aumentará cada vez mais, a vós e a vossos filhos.
  15. Sois benditos do Senhor, que fez os céus e a terra.
  16. Os céus são os céus do Senhor; mas a terra a deu aos filhos dos homens.
  17. Os mortos não louvam ao Senhor, nem os que descem ao silêncio.
  18. Mas nós bendiremos ao Senhor, desde agora e para sempre. Louvai ao Senhor.
Salmos 115:1-18

Salmo do Dia - Salmo 30

Salmo do Dia - Salmo 30 

Salmo do Dia - Salmo 30



  1. Exaltar-te-ei, ó SENHOR, porque tu me exaltaste; e não fizeste com que meus inimigos se alegrassem sobre mim.
  2. Senhor meu Deus, clamei a ti, e tu me saraste.
  3. Senhor, fizeste subir a minha alma da sepultura; conservaste-me a vida para que não descesse ao abismo.
  4. Cantai ao Senhor, vós que sois seus santos, e celebrai a memória da sua santidade.
  5. Porque a sua ira dura só um momento; no seu favor está a vida. O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã.
  6. Eu dizia na minha prosperidade: Não vacilarei jamais.
  7. Tu, Senhor, pelo teu favor fizeste forte a minha montanha; tu encobriste o teu rosto, e fiquei perturbado.
  8. A ti, Senhor, clamei, e ao Senhor supliquei.
  9. Que proveito há no meu sangue, quando desço à cova? Porventura te louvará o pó? Anunciará ele a tua verdade?
  10. Ouve, Senhor, e tem piedade de mim, Senhor; sê o meu auxílio.
  11. Tornaste o meu pranto em folguedo; desataste o meu pano de saco, e me cingiste de alegria,
  12. Para que a minha glória a ti cante louvores, e não se cale. Senhor, meu Deus, eu te louvarei para sempre.
Salmos 30:1-12

Salmo 2 e o Reino Messiânico

Salmo 2 e o Reino Messiânico

Resultado de imagem para Salmo 2

Vários dos Salmos são citados no Novo Testamento para explicar a missão do Messias (Cristo) e seus seguidores. Um dos mais ricos é o segundo Salmo, que diz: 

1 Por que se enfurecem os gentios e os povos imaginam coisas vãs?
2 Os reis da terra se levantam, e os príncipes conspiram contra o SENHOR e contra o seu Ungido, dizendo:
3 Rompamos os seus laços e sacudamos de nós as suas algemas.
4 Ri-se aquele que habita nos céus; o Senhor zomba deles.
5 Na sua ira, a seu tempo, lhes há de falar e no seu furor os confundirá.
6 Eu, porém, constituí o meu Rei sobre o meu santo monte Sião.
7 Proclamarei o decreto do SENHOR: Ele me disse: Tu és meu Filho, eu, hoje, te gerei.
8 Pede-me, e eu te darei as nações por herança e as extremidades da terra por tua possessão.
9 Com vara de ferro as regerás e as despedaçarás como um vaso de oleiro.
10 Agora, pois, ó reis, sede prudentes; deixai-vos advertir, juízes da terra.
11 Servi ao SENHOR com temor e alegrai-vos nele com tremor.
12 Beijai o Filho para que se não irrite, e não pereçais no caminho; porque dentro em pouco se lhe inflamará a ira. Bem-aventurados todos os que nele se refugiam. 


Os primeiros versículos deste Salmo mostram a rebeldia dos povos e dos líderes humanos. Os gentios ou povos são aqueles que não se submetem a Deus. Seus príncipes e líderes se exaltam contra o Senhor e contra o seu Ungido (o significado das palavras Messias e Cristo). Em Atos 4:25-27, os cristãos em Jerusalém entenderam a aplicação desta profecia às perseguições que sofriam. Quando lembraram do Salmo 2, acharam conforto e confiança em suas palavras de vitória. 

O versículo 3 descreve muito bem a atitude dos homens rebeldes. Ao invés de receber o evangelho como uma mensagem de libertação, eles enxergam apenas as limitações postas na vida dos justos. Consideram a palavra de Deus algemas e laços a serem rompidos. Muitas pessoas continuam com a mesma opinião da palavra de Deus. Olham para a Bíblia como um livro de restrições que estraga o prazer da vida. Não entendem que seu próprio pecado é escravizador (2 Pedro 2:17-22). A perspectiva dos justos é totalmente oposta (veja Salmo 1:2). 

Quando os inimigos de Deus atacam com toda a sua força, ele zomba deles (4). Um Deus que vê as nações como uma gota de água num balde (Isaías 40:15) não teme a força humana. O mais forte dos reis do mundo não passa de uma criatura minúscula (Daniel 4:32). Deus ri e confunde os homens que se exaltam (4-5). 

Em contraste com a fraqueza dos homens, este Salmo destaca o poder do Cristo que viria. Deus fala sobre a coroação do Messias como um fato já realizado (6). Mesmo revelando estas palavras mil anos antes da vinda de Jesus, ele usou o pretérito (constituí o meu Rei) para mostrar a certeza do cumprimento da profecia. 

A proclamação do versículo 7 não fala de criação, nem do nascimento de Jesus. O contexto já definiu o assunto do estabelecimento do reino do Messias. Citações no Novo Testamento (Atos 13:33; Hebreus 1:5 e 5:5) claramente aplicam este versículo à ressurreição e à ascensão do Cristo à sua posição de domínio no céu. Ele venceu a morte e tomou seu lugar como sumo sacerdote eterno no Santo dos Santos (veja Hebreus 9:12). 

O Ungido reina sobre todas as nações (8, veja Atos 17:30; Filipenses 2:9-11). Cumprindo uma longa série de promessas e profecias, Jesus recebeu toda autoridade sobre todos os povos. Ele é o Rei eterno sobre todos. 

Este Rei domina com sua vara de ferro, despedaçando as nações rebeldes (9). Ele tem toda a autoridade (Mateus 28:18), aparência brilhante, olhos penetrantes, uma língua afiada e uma voz poderosa (Apocalipse 1:13-16). Devemos temê-lo! De fato, todos devem temê-lo – reis, juízes e pessoas comuns (10-12). 

Mas o Messias não viria apenas para castigar e quebrar. Ele oferece refúgio para as pessoas que o buscam, e elas encontram descanso nesse Salvador (12; veja Mateus 11:28-30). 

Deus mandou o seu Filho para oferecer a salvação ao mundo. Cada um deve buscá-lo e se submeter ao Ungido. 




-por Dennis Allan
http://www.estudosdabiblia.net/

Salmo 46 – Deus é. Deus está. Deus faz

Salmo do dia

 

Salmo 46

"Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus; serei exaltado entre os gentios; serei exaltado sobre a terra." Salmo 46:10

Salmo 46 – Deus é. Deus está. Deus faz

A maioria dos leitores das Escrituras conhece o Salmo 46. Quem nunca leu este belo Salmo?

Convido você, prezado leitor [a] a mergulhar neste Salmo comigo, e ver a profundidade que encontramos nele. Um dos “segredos” de uma boa exegese de um texto, é conhecer o sentido histórico em que o texto foi escrito. Quando sabemos o que se passava quando o texto foi escrito, falamos com muito mais propriedade e segurança, trazendo luz e entendimento aos ouvintes.


Há um consenso entre os estudiosos que este salmo serviu de inspiração para o hino “Castelo Forte é Nosso Deus”, composto por Martinho Lutero. Há uma possibilidade muito grande que o contexto histórico em que foi escrito este salmo, seja a ocasião em que Deus livrou Jerusalém dos assírios no tempo do rei Ezequias (II Rs 18-19; II Cr 32; Is 36-37). Será bastante proveitoso ler estes textos para um melhor entendimento deste salmo.

O rei Ezequias era poeta, e é possível que tenha escrito não apenas este salmo, mas também o 47 e o 48, provavelmente no mesmo contexto histórico, onde a vitória do Senhor é celebrada sobre o inimigo.


1 - Deus É nossa fortaleza – (Sl 46.1-3) – a palavra traduzida por “refúgio”, no verso 1, significa “um abrigo, uma rocha de refúgio”, enquanto essa mesma palavra, nos versos 7 e 11, quer dizer “um baluarte, uma torre alta, uma fortaleza”. É isso que Deus estava dizendo para o povo: “Quando o inimigo vier, Eu serei o vosso abrigo, serei uma rocha, é como se o povo, estivesse escondido dentro da rocha, num lugar inatingível!” Os dois termos declaram que Deus é um refúgio confiável para seu povo quando tudo ao seu redor parece estar desmoronado (Sl 61.3; 62.7,8; 142.5). Mas Ele não nos protege a fim de nos mimar. Não. Antes, abriga-nos a fim de nos fortalecer para que voltemos à vida com suas responsabilidades e perigos.

A palavra “tribulações” refere-se a pessoas em lugares apertados, encurraladas num canto e incapazes de sair dessa situação. Veja que estratégia maligna dos exércitos assírios, eles queriam encurralar o povo de Deus, deixarem sem recursos para uma saída. Talvez, você leitor [a] se encontra nessa mesma situação, em que o inimigo quer te encurralar, lhe deixar à mercê de seus ataques. Mas a Palavra de Deus para estas situações é: “Não temas!”. Quando os oficiais assírios ameaçaram Jerusalém, Isaías disse ao rei: “Não temas por causa das palavras que ouviste” (II Rs 19.6). Esta é a palavra de Deus para você. Talvez você não veja o livramento, tudo parece perdido, o inimigo se agiganta, mas ouça a Palavra de Deus – “não temas!” A terra pode mudar, as montanhas podem ser arremessadas violentamente no mar, podem vir terremotos e maremotos, mas todas as coisas estão sob o controle de nosso Deus. Ele é nossa fortaleza e nosso refúgio em meio às incertezas da vida.


2 - Deus Está no meio – (Sl 46.4-7) – A cena seguinte mostra Jerusalém, onde o povo encontrava-se sitiado pelo exército assírio. A água era um bem precioso na Palestina, especialmente em Jerusalém, uma das poucas cidades da Antiguidade não construída à beira de um rio. Ezequias havia usado de sabedoria e construído um sistema subterrâneo de abastecimento que ligava os mananciais de Giom, no vale de Cedrom, ao tanque de Siloé, dentro da cidade, de modo que havia água disponível (II Rs 20.20; II Cr 32.30). Que fantástico! Ezequias estava querendo dizer: “Ainda que ele [inimigo] corte nosso suprimento de água, e aí, poderia ser caracterizada a derrota do povo de Jerusalém, Ezequias diz:” Há um rio, cujas correntes alegram a cidade de Deus, o santuário das moradas do Altíssimo”. O poeta sabia que Deus era o seu rio, aquele que supre a água da vida (Sl 36.8; 65.9; 87.7 e Jo 7.37-39). No tempo do rei Acaz, Isaías comparou uma invasão dos assírios a um rio transbordante, mas lembrou o povo que seu Deus era como um rio tranqüilo (Siloé) que lhes traria a paz (Is 8.1-10).

O verso 5 diz: “Deus está no meio dela” – ainda que eles estivessem encurralados, sem saída, o Deus Eterno está no meio dela. Ou seja, ninguém os derrotaria, pois Deus era aquele que comandava tudo!

Sem dúvida, Jerusalém era uma cidade santa, separada por Deus, e que abrigava seu santuário, mas isso não era garantia alguma de vitória (Jr 7.1-8). A fim de que o Senhor os ouvisse e salvasse, o rei e o povo precisavam voltar-se para o Senhor com uma atitude de contrição e fé – foi o que fizeram. Deus socorreu Jerusalém quando o dia amanheceu (“desde antemanhã”; vs 5), pois o Anjo do Senhor matou 185 mil soldados assírios e mandou Senaqueribe de volta para casa (Is 37.36).


3 - Deus faz cessar a guerra (Sl 46.8-11) – a terceira cena mostra os campos ao redor de Jerusalém, em que os soldados assírios estão mortos, suas armas e equipamentos espalhados e quebrados. Não havia ocorrido batalha alguma, mas o Anjo do Senhor deixara esses vestígios, a fim de estimular a fé do povo de Deus.

“Vinde, contemplai as obras do Senhor, que assolações efetuou na terra” (vs 8). O Senhor derrotou e desarmou seus inimigos e destruiu suas armas, de modo que não podiam mais atacar.

“Aquietai-vos” quer dizer, literalmente: “Não mexam em nada! Descansem!”. Nós gostamos de “mexer em tudo” e de dirigir nossa vida a nossa maneira, mas Deus é Deus, enquanto nós não passamos de servos do Senhor. Pelo fato de Ezequias e de seus líderes terem permitido que Deus fosse Deus, Ele os livrou de seus inimigos. Foi assim que o rei Ezequias orou: “Agora, pois, ó Senhor, nosso Deus, livra-nos das suas mãos, para que todos os reinos da terra saibam que só tu és o Senhor Deus” (II Rs 19.19).

O Senhor chama a si mesmo de “Deus de Jacó”, e lembramos como Jacó meteu-se em apuros em várias ocasiões por tentar intervir nas circunstâncias e fazer o papel de Deus. Há um momento certo para obedecer a Deus e agir, mas até que chegue essa hora, devemos deixar Ele trabalhar livremente, a seu tempo e a seu modo. Em outras palavras, deixe Deus ser Deus em sua vida.

Nele, que É , que Está, e que Faz tudo para a glória Dele



Bibliografia: Wiersbe, Warren. Comentário Bíblico. Geografia Editora 2006

Autoria do texto: Pr Marcello de Oliveira
via Davar Elohim - http://www.davarelohim.com.br/  

Salmo do dia - Salmo 70

 Salmo do dia - Salmo 70

Resultado de imagem para salmo 70 (71)

1  Apressa-te, ó Deus, em me livrar; SENHOR, apressa-te em ajudar-me.

Nunca podemos entender que Deus demora em nos auxiliar, não existe parcimônia de tempo por parte de um ser que é a própria representação do auxílio, da misericórdia e do amor. Igualmente, Deus conhece o tempo certo para nos conceder algo, e, portanto, o que devemos interiorizar é a capacidade de esperar o tempo dEle.

2  Fiquem envergonhados e confundidos os que procuram a minha alma; voltem para trás e confundam-se os que me desejam mal.
 Não podemos inferir desse versículo que o salmista esteja amaldiçoando ou que esteja desejando o mal para os aqueles que o perseguem, pois pecadores todos nós somos e o Senhor nos ama indistintamente (tanto a nós quanto aos nossos inimigos). O que ele almeja é que seus inimigos sejam confundidos no que eles percebem do mal, e assim possam também se arrepender desse mal caminho em que se encontram e se volvam para Deus.

3  Virem as costas como recompensa da sua vergonha os que dizem: Ah! Ah!
Aqueles que zombam precisam se envergonhar do que fazem. Mais uma vez aqui não há o desejo de que os inimigos sofram um mal maior do aquele que possa demovê-los de fazer o que é errado, e assim buscarem a verdadeira justiça que não admite o escárnio e a zombaria como seus motivadores.

4  Folguem e alegrem-se em ti todos os que te buscam; e aqueles que amam a tua salvação digam continuamente: Engrandecido seja Deus.
Eis nesse versículo, a recompensa para os que amam o Senhor Deus, aqueles que amam a salvação, essa recompensa é a alegria. Não desejemos riquezas ou poder ou reconhecimento pelas nossas atitudes. O que precisamos é apenas da dádiva de felicidade, que é poder atribuir todo nosso sucesso, nosso livramento ao grande e maravilhoso Deus.

5  Eu, porém, estou aflito e necessitado; apressa-te por mim, ó Deus. Tu és o meu auxílio e o meu libertador; SENHOR, não te detenhas.
Estar aflito, necessitado, com um sentido de urgência exacerbado, é próprio da natureza humana, portanto sempre temos a tendência à pressa, à urgência que nossos pedidos sejam atendidos. Isso nos reporta para o primeiro versículo onde o salmista quer pressa em seu livramento.
Mas também, como uma forma de contrapor sua pressa natural, ele afirma que Deus é o libertador e que Deus não demora a livrá-lo.
Amigos, Deus está à nossa disposição, para livrar-nos dos nossos inimigos e nos iluminar, e dentro disso, Deus quer oferecer a libertação aos nossos inimigos. Que possamos entender que nosso Deus nos considera todos seus filhos, que Seu objetivo maior é nos tornar irmãos, limpar nossas iniquidades e nos levar todos para um dia morar com Ele, em seu reino de luz.
Dedico essas pequenas reflexões pessoais àqueles que me consideram como inimigo, adversário ou tenham qualquer tipo de antipatia a meu respeito, pois quero um dia poder abraçar a todos, numa felicidade plena de irmãos, rumo à uma nova vida de realização plena em Deus.

http://www.iveniohermes.com/
REFLEXÃO – SALMO 23

REFLEXÃO – SALMO 23

REFLEXÃO – SALMO 23 
Resultado de imagem para SALMO 23
INTRODUÇÃO: O Salmo 23 é um belo cântico que retrata a confiança de Davi em Deus. Neste Salmo Davi apresenta Deus como o grande Pastor que prove as necessidades de suas ovelhas e as protege (vv.1-4) e como um bondoso Hospedeiro que protege e prove abundantemente seus hóspedes (vv.5-6).


1 – Uma declaração de fé (v.1)
Ao declarar que o Senhor é o seu Pastor e que nada lhe faltaria, Davi, estava expressando sua confiança em Deus. A figura do pastor retrata o Senhor como guia, protetor e companheiro constante.
Davi entendia que Deus era Deus em sua vida em todos os momentos dela. Não importava a situação, não importava a necessidade, não importava se em períodos de guerra ou paz. O Senhor era o seu pastor e nada lhe faltaria em tempo algum.
Há um dito no exército que afirma que: “todo soldado, numa trincheira, crê em Deus”. Mas a fé no Divino é necessária a todos, não apenas aos que enfrentam perigo de morte.
Precisamos de fé em nosso dia-a-dia. Davi reconhecia a soberania e a graça de Deus nos tempos de normalidade, isto é, no dia-a-dia de sua vida.
Você e eu devemos fazer o mesmo. Hoje mesmo devemos fazer confissão contínua do senhorio de Jesus Cristo sobre nossas vidas, devemos estar constantemente afirmando nossa fé. Declare todos os dias sua fé em Jesus Cristoem Sua Palavra e você verá que sua vida mudará. Você se tornará mais autoconfiante uma vez que sua fé o encorajará a realizar coisas que anteriormente você temia.

2 – Como Deus cuidava de sua vida (vv.2-3)
2.1 – Pastos verdejantes – nos falam de necessidades físicas. Quando as ovelhas são colocadas em pastos verdejantes? Quando possuem necessidades físicas, isto é, precisam se alimentar. Quando elas se deitam em pastos verdejantes? Quando estão satisfeitas. Nosso Deus prove para nós o que precisamos. Jesus disse que não precisaríamos nos preocupar com o que vestir e nem com o que comer (Mt 6:25,26,31,32) que nosso Pai celestial proveria isto para nós. Precisamos crer nas palavras de Jesus.
Então não fique murmurando, falando palavras negativas. Declare sua fé em Jesus e em Sua palavra, agradecendo pela provisão que seus olhos ainda não contemplaram. Fé é a certeza de coisas que se esperam (Hb 11:1), e não daquilo que se tem.
2.2 – Águas de descanso, refrigério da alma – nos falam de necessidades espirituais. Só de ler estas palavras já podemos sentir a paz que provém destas águas. Esta frase tipifica a inteireza abençoada do Espírito Santo, uma plenitude adequadamente simbolizada pela linda figura de “águas de descanso”.
Quando a pessoa confessa os pecados a Deus ela é purificada pelo sangue de Jesus Cristo. Então a Jesus Cristo a fonte da vida, derrama sobre esta pessoa o Espírito Santo, e esta passa a experimentar uma paz indescritível, passa a experimentar a vida de Deus fluindo em seu interior. Davi pecou e experimentou o renovo que o Senhor dá a aqueles que perdem perdão de seus pecados (Sl 32:3-7).
Jesus quer que estas águas transbordem em nossas vidas (Jo 7:37-39),isto é, Ele deseja que todos nós tenhamos de Sua vida em abundância. Jesusmesmos disse: “eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” (Jo 10:10). Todos que crerem Nele poderão beber destas águas, poderão receber do Espírito Santo, e terem descanso eterno para suas almas. 
2.3 – Guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome – nos falam de orientação para as lutas do dia-a-dia. Em meio às lutas do dia-a-dia, em meio à competição que vivemos todos os dias, nossos corações muitas vezes ficam perturbados e não sabemos muitas vezes como nos portarmos diante determinadas situações. Davi compreendia que Deus era Senhor em todas as coisas e Dele esperava orientações (Sl 32:8). Devemos nos lembrar que Davi era rei em Israel e como rei tinha que tomar muitas decisões difíceis, entretanto ele confiava em Deus como seu guia e instrutor.
Nós também devemos ter esta compreensão e entendermos que Deus tem prazer em nos orientar e em nos instruir. Não devemos nos precipitar em fazer negócios ou tomar decisões em nossos lares sem estar colocando tudo nas mãos de nosso Deus.
Creia Deus entende de seus negócios melhor do que você; confie Nele ore a Ele, peça orientação e confie em sua resposta.

CONCLUSÃO: Declare que Jesus Cristo é Senhor de sua vida hoje. Não espere os tempos de guerras, de luta para crer que Jesus é o Sumo Pastor.
Davi nos ensina nos versos que estudamos hoje que devemos confiar em nosso Grande Pastor todos os dias e não apenas nos momentos difíceis da vida. Se você crer, Jesus, estará sempre provendo para você o que necessita não importa se é físico, espiritual. Jesus cuidará de suas necessidades e te orientará no dia-a-dia de sua vida. Tão somente creia.


Pr. Cornélio Póvoa de Oliveira
Tecnologia do Blogger.

Inscreva-se aqui para receber Atualizacoes